Começou!

Trabalho de terraplanagem deu início às obras que devem ser feitas antes da construção da fábrica de celulose solúvel

Com a autorização dos órgãos responsáveis, foi iniciado em 1º de agosto o trabalho de terraplanagem da área em que será construída a maior fábrica de celulose solúvel do mundo, fruto da parceria entre Duratex e a Lenzing. Além de um marco importante para o projeto, a atividade é o primeiro passo para a instalação da infraestrutura necessária.

“Temos de erguer uma pequena ‘cidade’ antes de construir a fábrica propriamente dita”, explica Silvio Costa, líder da equipe de engenharia do projeto.

As obras de infraestrutura incluem acessos, arruamento, sistema de segurança, portaria, escritórios, ambulatório e restaurante. Nessa etapa, já foram mobilizados 350 colaborados, além de maquinário pesado. Esse número ainda vai aumentar, chegando a cerca de 600 pessoas até o fim do ano.

Está prevista para dezembro deste ano a decisão final sobre a construção da fábrica, que deve começar em meados no ano que vem, para que a produção tenha início no primeiro semestre de 2022.

EQUIPAMENTOS

Ao mesmo tempo em que acontecem as atividades de implementação da infraestrutura, empresas de diferentes especialidades vão produzir os equipamentos e outros itens que precisam fazer parte da fábrica. Silvio explica que a seleção de fornecedores incluiu tanto companhias de fora do país como as nacionais, que possuem uma expertise muito importante na área de celulose.

Você sabia?

A fábrica de celulose solúvel também trará benefícios a cinco municípios do triângulo mineiro que ficam num raio de 50 quilômetros das futuras instalações. Isso acontecerá tanto pela contratação de mão de obra local como por conta dos produtos e serviços que serão consumidos pelas milhares de pessoas que trabalharão no projeto ao longo do tempo.

O Brasil é uma referência mundial na implementação de projetos de celulose e estamos aproveitando todo o conhecimento disponível no país para construírmos uma fábrica moderna e altamente sustentável.”

Silvio Costa, líder da equipe de engenharia do projeto

NO AUGE DAS
OBRAS, SERÃO
CERCA DE

7 MIL
COLABORADORES